Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://hdl.handle.net/123456789/1644
Título: Análise de metais em amostras de farinha de milho empregando a técnica de espectrometria de absorção atômica com chamas
Autor: Silva, Danylo David de Lima
Endereco Lattes do autor: http://lattes.cnpq.br/0412992762621641
Orientador: Gomes, Maria José de Filgueiras
Endereco Lattes do orientador : http://lattes.cnpq.br/0060810526769648
Palavras-chave: Metais;Milho;Digestão
Data do documento: 10-Jul-2019
Citação: SILVA, Danylo David de Lima. Análise de metais em amostras de farinha de milho empregando a técnica de espectrometria de absorção atômica com chamas. 2019. 51 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Química) - Departamento de Química, Universidade Federal Rural de Pernambuco, Recife, 2019.
Resumo: A alimentação é a principal fonte de macronutrientes e micronutrientes e são considerados essenciais para as funções metabólicas, de modo que a carência ou excesso podem oferecer riscos à saúde. Entre os alimentos mais consumidos pela população, destaca-se a farinha de milho. A biodispobilidade dos metais, nessa matéria-prima, varia de acordo com o solo e as condições climáticas. O método empregado para a determinação de metais nas amostras de interesses alimentícios emprega digestões por via úmida em sistemas fechados, destruindo a fração da matéria orgânica, permitindo que o analito seja analisado. Assim, o presente trabalho tem como objetivo determinar metais em amostras de farinha de milho das marcas mais comuns comercializadas na região metropolitana do Recife. Dessa maneira, um planejamento fatorial 23 foi realizado, propondo uma avaliação eficiente da decomposição da matéria orgânica. O ensaio 04, que utilizou o menor volume de peróxido de hidrogênio (2 mL), temperatura de 160°C e concentração de ácido nítrico 14M, apresentou o menor teor de carbono residual, equivalente a 6,24%, sendo a digestão mais eficiente. As concentrações dos metais foram analisadas utilizando a técnica espectrométrica de absorção atômica com chama e os resultados indicaram valores bem distintos daqueles estabelecidos pela ANVISA, na resolução RDC n° 344, 13 de dezembro de 2002, no tocante à fortificação dos alimentos com ferro. As concentrações nas amostras variaram para o Ca de 2,7 a 102,0 mg/kg; Fe de 2,0 a 80,0 mg/kg; K de 1005,0 a 3135,0 mg/kg; Mg de 150,0 a 413,0 mg/kg e Zn de 2,9 a 27,3 mg/kg. Os resultados obtidos do material certificado pela metodologia proposta apresentaram valores aceitáveis para um intervalo de 95% de confiança. Para os metais avaliados concluiu-se não haver risco para a saúdo, pois as concentrações encontradas apresentam valores adequados de ingestão, podendo-se afirmar que a contribuição com a IDR para o Ca, Fe, K, Mg e Zn é de 0,11%; 5,16%; 0,89%; 2,66% e 3,25% respectivamente.
URI: http://hdl.handle.net/123456789/1644
Aparece nas coleções:(CDILQ) Trabalho de conclusão de curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
tcc_danylodaviddelimasilva.pdf1,11 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.